Skip to content

Um Teto Para Meu País – Parte 3 (Final)

agosto 3, 2010

2ª Casa

 

Chegou o quarto dia. Junto com ele, uma motivação e reserva de forças incomparáveis acometeram o nosso time, bem como todos os outros. Nós tínhamos 2 dias para entregar a 2ª casa e estávamos obstinados a fazer isso acontecer.

A nossa segunda construção não ficava tão longe quanto a primeira e estava perto de outra construção de outro time, o que era muito positivo para realizar troca de ferramentas ou até para que nos ajudássemos em momentos de cansaço. A contrapartida é que a rua não era asfaltada e o acesso era péssimo, o que significava carregar painéis de incontáveis kilos nas costas.

(Nesse momento, faço uma pausa na história para parabenizar o time de Logística, que teve muita força e eu digo muita mesmo para fazer o trabalho correto e possibilitar as construções na Rua das Minas)

Conhecemos então a nossa segunda família, a qual era formada pela Aline (27), Eldázio ou Dázio (21), Ítalo (8), filho do primeiro casamento de Aline e Yasmine (3 meses).

Aline, uma moça extremamente simpática e conversadora, tinha vindo de Ilhéus-BA, enquanto Dázio, um pouco mais caladão, fazia só 3 anos havia chegado de uma cidade no interior do Ceará e sustentava sua família aqui trabalhando (pasmem!) carregando sacos de farinha de 50kg na cabeça.

Contamos com o apoio de um time que estava mais adiantado durante a manhã do 4º dia e isso nos ajudou a abrir os buracos em tempo recorde (até o almoço) e chegado o fim do dia havíamos firmado todos os pilotis e começado a colocar as vigas. Isso significava que estávamos um pouco atrás do cronograma, porém já era uma melhora significativa vs. a primeira construção e que nos deixou confiante para o segundo dia.

Mas, como surpresas noturnas nunca eram demais, quando nos encontramos com as outras equipes vieram as notícias: logística estava com problemas sérios e precisaria de ajuda em 3 momentos:

1: de imediato eram necessários carregar painéis para o caminhão de apoio para que as construções não atrasassem;

2: seria necessário formar um time noturno, o qual ficaria responsável por descarregar uma parte esses painéis na casa;

3: um outro time deveria acordar por volta das 4:30, 5 horas para descarregar o restante dos painéis.

Como todos estavam igualmente cansados, decidimos ir juntos para a primeira etapa, o que acabou sendo um sucesso! Força divida e muita animação resolveram a atividade rapidamente.

Para as outras 2, as pessoas aos poucos foram voluntariando-se, porém ficou claro para o nosso time que não poderíamos abrir mão de nenhum membro, caso quiséssemos entregar a casa e dessa vez tivemos que passar.

 —————————————————————————————-

Último dia de construção e começamos cedo, pois o tempo urgia! Até a hora do almoço o avanço já era notável, pois havíamos terminado as vigas, firmado o piso e subido os painéis.

De forma a não perder tempo, fomos nos revezando para almoçar, assim a construção nunca pararia. Mais uma vez, vale ressaltar que tivemos a ajuda de mais 3 pessoas que vieram do time de logística e do Joaquim, um simpático morador da comunidade que havia recebido sua casa na primeira leva, sendo estas vitais para o resultado final.

Por volta das 20h (já ultrapassando o nosso curfew) terminamos a mágica e a casa da Aline estava entregue! Mais um momento incrível, choradeira e uma família com um cantinho novo pra morar.

E como Deus ajuda quem cedo madruga, até às 22h estavam entregues todas as casa de nossa comunidade e pudemos voltar pra SP felizes e cansados, muito cansados, porém com a sensação de dever cumprido.

  

A conclusão…

Somente aqueles que passaram esses 5 dias juntos, sabem a experiência que vivemos.

A oportunidade de subirmos o morro, conhecer a realidade das pessoas e passar 5 dias construindo sonhos para elas foi algo impagável.

Tolo é aquele que pensa que ficar 5 dias sem tomar banho é algo inimaginável e posso garantir que um sorriso de uma criança ao ver sua casa nova é algo que nem os mais incríveis poetas souberam descrever nos poemas que li até hoje.

Não encarem isso como a chance de mudar o nosso querido Brasil ou de fazer a diferença em uma comunidade. Busquem mudar uma única vida, encontrar um único sorriso, pois se vcs realmente assim conseguirem, já terão feito muito.

O meu sincero obrigado a todos que nos receberam de braços abertos em suas comunidades para construir suas casas. Vcs tocaram meu coração e fizeram de mim uma pessoa melhor.

  

Bjs e Abs,

P.

One Comment leave one →
  1. Rafael permalink
    agosto 3, 2010 7:28 pm

    q venha a pintura!

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: